Boas práticas

20 de janeiro de 2016

Projetos bem sucedidos que viraram políticas públicas

O VitaVida

O Programa visa o combate à fome e ao desperdício de alimentos por meio do fornecimento um composto alimentar a instituições filantrópicas de Minas Gerais por meio de um processo de desidratação de excedentes de legumes, cereais e frutas que seriam, naturalmente, descartados, mas que têm grande valor nutricional. Geralmente, os vegetais, grãos e cereais são doados por produtores agrícolas e comerciantes.

Os produtos podem ser utilizados em massas, sopas, pães, bolos e purês e representam a melhora da qualidade nutricional de preparações, que são fabricados como mix de todos os vegetais ou como compostos separados de mandioca, batata, cenoura e banana desidratadas.

Em outubro de 2015 foi realizada a transferência das fábricas do VitaVida de Montes Claros e Janaúba, no Norte de Minas Gerais, para o Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene) e da fábrica de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, para Central Estadual de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasa MG).

 

Valores de Minas

O Valores de Minas foi criado pelo Servas em 2005 e, por cerca de 11 anos, foi mantido em parceria com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE-MG). O programa surgiu da intenção de reconhecer a juventude como uma fase especial de afirmação da autonomia do indivíduo, vital para o exercício da cidadania e de seus múltiplos direitos.

Desde 2009, o Programa se tornou um núcleo do Centro de Formação e Experimentação Digital – PlugMinas, que tem como objetivo criar oportunidades de desenvolvimento e difusão de tecnologias educacionais inovadoras, baseadas na experimentação, no diálogo com o jovem e na produção colaborativa do conhecimento. Em função dos bons resultados do programa, o Valores de Minas foi absorvido pela SEE-MG no final de 2015 como uma política pública de educação complementar.

O programa faz da arte o viés condutor de suas ações e acredita na relevância do ensino artístico referenciado em metodologias e planos pedagógicos autorais para promover nos jovens o desenvolvimento humano e cultural. o objetivo é que essa metodologia propicie o reconhecimento dos jovens, o exercício da cidadania e a participação social.

Dessa maneira, o Valores de Minas trabalha com cinco áreas artísticas (Artes Visuais, Circo, Dança, Música e Teatro) e, desde a sua criação está estruturado em três Módulos. O Módulo I atende 500 jovens, o Módulo II atende 70 jovens advindos do Módulo I e o Módulo III atende cerca de 18 jovens egressos do Módulo II do ano anterior.

No Valores de Minas, a prática artístico/pedagógica envolve a criação, incentivando a manifestação de novas subjetividades e a instauração de novas formas de convivência, de aprendizado e de transformação. Por meio de processos desencadeados em cada indivíduo, os jovens são preparados para se posicionarem como pessoas autônomas, abertas à convivência em grupo, agindo como participantes no desenvolvimento do todo social.