Servas expande atuação para várias regiões do estado

23 de dezembro de 2016

No ano em que completa 65 anos de existência, o Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) comemora os resultados do esforço de expandir a assistência por toda Minas Gerais. Um dos exemplos foi o Natal do Servas, que aconteceu hoje, dia 21 de dezembro de 2016, na escola Morro Vermelho, no município de Barra Longa, uma das áreas mais impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão. A escola, bastante atingida pelo desastre, perdeu a quadra, biblioteca, sala de informática e auditório. O Servas, por meio do projeto Abraça Minas, entregou os presentes que foram pedidos nas cartinhas a Papai Noel que 473 alunos das 14 escolas públicas do município.

“Tudo do jeitinho que eu queria”, comemorou Renata Silva Machado, de 8 anos, ao receber uma boneca e um kit de cozinha de brinquedo. A mãe dela, Ana Flavia Machado, estava satisfeita por ver a filha se divertir. “Se ela está feliz, é o que importa pra mim”, disse. Para a presidente do Servas, Carolina Oliveira Pimentel, é gratificante ver nos olhos de cada um o brilho da felicidade de ter seu pedido atendido e entregue pelo Papai Noel. “Essas crianças perderam importantes espaços de diversão com a invasão da lama. Nada mais justo do que fazer um mutirão de solidariedade para alegrar o Natal delas”.

Outro exemplo de que é possível expandir projetos assistenciais para todo o estado é o Programa Água Vida, que construiu cisternas e instalou módulos sanitários com biodigestores em comunidades vulneráveis dos municípios de Arinos e Formoso, no território Noroeste, onde os moradores nunca haviam tido acesso à água ou a banheiros. “Levar desenvolvimento e dignidade a todas as regiões de Minas é uma diretriz do Governo de Minas que o Servas leva muito a sério. Como o Água Vida, outras iniciativas do Servas estão chegando aos quatro cantos do Estado. Pretendemos avançar ainda mais nesse sentido”, diz a presidente da instituição, Carolina Oliveira Pimentel.

A história desta entidade que se transformou num braço indissociável do amparo social em Minas teve início em 1951, quando a  então primeira-dama do Estado, Sarah Kubitscheck, passou a comandar o projeto Pioneiras Sociais, que dava apoio à maternidade e à infância, trabalho que mais tarde se estendeu para a área educacional. Cinco anos depois, a entidade, rebatizada como Associação Mineira de Orientação e Apoio à Maternidade e à Infância (Amoami),  foi desvinculada do Governo Estadual, e, ao mesmo tempo, teve sua atuação  ampliada para iniciativas voltadas para a saúde. Somente uma década mais tarde, a Amoami foi transformada em Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), que passou a atuar também no apoio a programas de geração de emprego e renda.

A necessidade de integração com as várias esferas do governo levou a entidade, em 1983, a ampliar ainda mais seus objetivos em parceria com a iniciativa privada. Dessa forma, as ações se estendem, hoje, à busca de soluções para as questões sociais, contando com doações, promoções e campanhas para desenvolver suas atividades. A finalidade é garantir a inserção permanente do cidadão na sociedade.De lá para cá, o Servas, dotado de autonomia, vem atuando cada vez mais intensamente para melhorar a qualidade de vida de pessoas em situação de risco social em suas mais variadas formas por meio da promoção e execução ações sociais em todo o estado.

Desde 1951, a autarquia criada pelo então governador Juscelino Kubitschek é voluntariamente comandada pelas mulheres dos chefes do estado. Em janeiro de 2015, ao assumir a presidência do Servas, reconhecido como entidade de utilidade pública nos níveis municipal, estadual e federal, a primeira-dama de Minas, Carolina Oliveira Pimentel, anunciou que além de fortalecer os programas existentes trabalharia no sentido de  regionalizar as ações sociais e no combate às drogas” , diz a presidente do Servas, Carolina Pimentel.

Atualmente,  o Servas atua promovendo a solidariedade, respeito, transformação, esperança, justiça e cidadania de forma complementar ao poder público por meio de programas, projetos e ações que visam melhorar a qualidade de vida de milhares de crianças, jovens, adultos e idosos. Nesse sentido, presta apoio a instituições filantrópicas de serviços assistenciais e também aos municípios, tendo como meta estimular o desenvolvimento das comunidades e a inclusão social dos cidadãos com projetos que abrem oportunidades para jovens  e adultos. A ideia é atuar como articulador entre iniciativa privada e poder público, integrando sociedade civil, governo, empresas, entidades de classe e terceiro setor, num grande esforço para promover justiça social.

Esse  modelo vem permitindo ao Servas não só gerar e ampliar os espaços de participação, mas conscientizar a sociedade sobre a importância da cooperação entre cidadão e estado. A pedagoga e coordenadora do Programa Ser Mais, que cuida das Instituições de Longa Permanência para Idosos (Ilpi), Vera Lúcia Lemos Santos, 70 anos, 31 dos quais a serviço do Servas, lembra que a atuação da entidade junto à sociedade veio se modificando e evoluindo. “Hoje trabalhamos intensamente junto a problemas que envolvem todos os mineiros, como foi o caso do rompimento da barragem em Mariana (Território Metropolitano)” diz.

Quando Dario Dantas, 76,  teve seu primeiro contato com o Servas, pensou que prestaria uma ajuda ao pessoal do arquivo por apenas um dia, mas até hoje trabalha na entidade. Neste mais de meio século servindo à instituição, ele participou de inúmeros programas e agradece por ter tido a oportunidade de estender as mãos a muita gente que precisava de apoio. “Inúmeras vezes saímos para ajudar as vítimas das enchentes em Minas. O Servas já ajudou muitas pessoas a encontrar uma profissão e continua sendo importante para muitas outras”, atesta.

O modelo de gestão adotado vem permitindo à instituição não só gerar e ampliar os espaços de participação, mas conscientizar a sociedade sobre a importância da cooperação entre cidadãos e Estado. Desde a sua fundação, por Sara Kubitscheck, e hoje mais ainda, o Servas cumpre a missão de ser uma porta aberta para a transformação da vida de milhares de mineiros. Construir a esperança com justiça social, cidadania e dignidade. É isso que o SERVAS vem fazendo há 65 anos, cuidando das pessoas que mais precisam.